Uma lição fundamental sobre a fotografia comercial

Eu estava ainda na faculdade de desenho industrial quando fui a um workshop de um premiado fotógrafo publicitário que me impressionou muito pelo seu portfolio de imagens incríveis e clientes importantes.

Isso foi há mais de 15 anos, nos anos 2000. Eu era um estudante que passava a maior parte do meu tempo no laboratório da UFRJ, revelando filmes e ampliando fotos, e sonhava um dia me tornar um fotógrafo profissional. Mas eu não tinha a menor ideia do que era o mercado de fotografia e os únicos fotógrafos que eu conhecia na época eram amadores ou professores com enorme conhecimento teórico sobretudo no campo da arte, mas pouca experiência prática ou do aspecto comercial.

Aquele evento foi, então, a primeira oportunidade que tive de conhecer o trabalho de um fotógrafo profissional no mercado publicitário que mostrou o making of daquelas fotos que encantaram nas revistas e cartazes. Uma experiência decepcionante. Uma imagem de um sanduíche construída com uma série de fotografias: uma do pão, outra do molho, outra para o hambúrguer, depois a salada, etc. Trinta e tantas layers no Photoshop com shadows e highlights adicionados ou realçados digitalmente. No auge da minha arrogância dos vinte e poucos anos e influenciado por defensores da fotografia de película com cromo ou sais de prata, questionei aquela técnica toda em um auditório cheio. Aquilo para mim não era a morte de uma fotografia que eu idealizava.

Posteriormente, eu tive a oportunidade de conhecer outros fotógrafos e outras técnicas para chegar a imagens igualmente incríveis. O principal mestre que tive foi o Alexander Landau, que eu considero o mais relevante fotógrafo de Gastronomia do Brasil. Um profissional que compõe cada imagem e depois monta um set de luz super sofisticado com flashs, fontes de luz contínua, espelhos, rebatedores e bandeiras. Uma foto pode levar às vezes horas até finalmente estar pronta para o clique perfeito. 

Eu acabei seguindo por esse caminho e gosto de fazer fotos no clique, como dizemos no jargão da fotografia, que não precisam de muito trabalho de manipulação no Photoshop na pós-produção. Porém eu optei por usar esquemas de luz não tão sofisticados, por um lado, porque a simplicidade me encanta e, além disso, por um posicionamento comercial, eu ofereço uma quantidade maior de fotos aos meus clientes. 

Esse caminho eu fui escolhendo com a maturidade e a experiência que ganhei ao longo da minha carreira. E, também com a maturidade, só depois de anos consegui valorizar a resposta que me deu aquele primeiro fotógrafo no workshop, quando questionei a sua técnica. Ele me disse de forma muito educada e gentil que o importante era o resultado final. Se a imagem é boa e encanta, a técnica utilizada não diminui o trabalho. 

Hoje eu aplico essa lição, antes de me preocupar com a técnica, analiso o resultado que quero atingir no final.